segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Review - 6x10 - Ricochet Rabbit

Antes de tudo queria expor aqui minha grande satisfação com vocês! Fazer a review tem sido de grande satisfação pra mim, principalmente por ver elaboração de teorias de vocês aqui, comentários, elogios, críticas e tudo mais. Vocês são ótimos!


Depois de um fantástico banho de sangue, da confirmação do distúrbio do Travis, da clareza de tentativa de a LaGuerta tentar ferrar o caso da Jessica Morris, da pulga atrás da orelha a respeito do Louis e de ver Dexter puto com o DDK, começamos o episódio do ponto em que parou na semana passada!
Edward James Olmos sim é um grande ator. Agora o Hanks... Os biquinhos que o Travis faz são muito forçados para mim. É o tipo de atuação que acharíamos ‘uma gracinha’ se fosse o Harrison, por exemplo. Mas um serial killer precisa ter mais consistência em suas expressões. Em uma das reviews anteriores houve um comentário do tipo: “só por que é serial killer não significa que tenha que ser como Dexter”, mas alguém que tem a capacidade de matar alguém, não é apenas por distúrbios e tudo mais. Grande parte de tudo isso, e provavelmente a origem da maioria dos problemas, é emocional! Uma grande carência emocional que pode desencadear inúmeras outras coisas, e sendo assim, Travis externaria de uma maneira convincente, demonstrando ódio agudo, e não apenas uma revolta adolescente com o pai que não deixa a menina de 12 anos ir à festinha da amiguinha. Este episódio ele esteve mais frio e sereno, em algumas horas eu até mesmo me lembrou do Gellar no olhar.


Este episódio me convenceu a dar mais uma chance ao Colin Hanks. No decorrer desta temporada ele tem sido a criança boba, o sujeito experimental do professor Gellar. A ingenuidade e submissão do Travis foram muito bem abordadas, agora é hora de ver uma maestria na manipulação, uma capacidade de controle através do olhar. Psicopatas são sedutores por natureza, é hora de encher o público de sentimentos ambivalentes! Colin tem mais 2 episódios para nos causar tal ambivalência.
Regra de Dexter: Quanto mais se aproxima do final da temporada, maior a inteligência vomitada na série. Aquela necessidade de Dexter estar 42 passos à frente do assassino da temporada, aquela cobrança de não poder cometer o mesmo erro novamente. Ansiedade, necessidade, desejo e raiva. Quem não se encaixa nesses sentimentos/emoções? Acredito que esse seja um dos motivos pelos quais a série arremata cada vez mais fãs em tudo mundo. Tal inteligência começou a ser mostrada ao quase encontrar a Holly viva. Nos próximos episódios eu creio que não haverão (ou haverão poucos) erros da parte do nosso serial killer preferido!
Onde eu encontro psicopatas online para trabalhar de graça pra mim? Desculpem-me todos os fãs que adoraram isso, mas really? A série é tão bem trabalhada, detalhista e tudo mais para o Travis procurar meia dúzia de pessoas e encontrar um casal obcecado pelo seu trabalho, estando disposto até mesmo a matar a Holly, a ‘prostituta’ liberada anteriormente. O único lado bom nisso é ver Dexter de volta à ação! Me dá um profundo sentimento de alívio ver Dexter enfiando a faca no peito do tal rapaz, que inicialmente ele achou que fosse o Travis.


Falando em ‘enfiar a faca’, as cenas desta temporada não nos estão deixando a desejar! Acho que de todas, é a que mais trabalha jogadas de câmera, efeitos especiais sem exagero e o momento exato no qual uma vida é tirada. Parabéns aos responsáveis!
Se tem alguém que alguém que eu realmente lamentaria mais alguma desgraça é a Deb. Ela já passou por muita coisa mesmo! Acompanhar o crescimento dela tem sido uma das coisas mais magníficas na série! Não posso esconder minha preocupação também, dependência denota falta de controle. Enquanto ela dependia do Dexter, ele a tinha sob controle! Na medida que a Debra vai tomando as rédeas de sua vida, vai se desligando do Dex. Nosso psicopata vai perdendo o controle sobre ela, e isso sim é preocupante, porém necessário para a série!
Eu tô me mordeeeeeeeeeeeeeendo pra ver essa história com o Matthews estourar! MESMO!
As evidências nos apontam algumas teorias sobre Louis, a vigente é que ele sabe sobre o dark passenger. Roubar evidências do ITK, se envolver com a babá do Harrison, dar ênfase ao Bay Harbor Butcher (a propósito, que frase espetacular! “Você pode ser [...] até o Bay Harbor Butcher” e nos deparamos com uma voice over do Dexter “Eu SOU o Bay Harbor Butcher” haha). Enfim, tudo nos leva a crer que o Louis não é uma pessoa ‘boa’, e possivelmente encaixa-se no código, mas mesmo assim eu me sinto atingido quando Dexter o corta! Isso me deixa puto, não sei exatamente o porquê. Mas eu acho desnecessário! Dexter não é assim com ninguém! O monstro social tenta ser simpático com todos! Foi assim com o Doakes, com o Paul, até mesmo com o Ramon Prado! Bom, vejamos no que vai dar.
Grandes expectativas pros próximos episódios! Die die, galera!

0 comentários:

Postar um comentário

CARREGANDO NOVO FORMULÁRIO DE COMENTÁRIOS. AGUARDE.... SE VOCÊ ESTIVER LENDO ISSO E A PÁGINA FOI TOTALMENTE CARREGADA, NÃO USE ESTE FORMULÁRIO PARA COMENTAR. APERTE F5 E AGUARDE O NOVO FORMULÁRIO CARREGAR