terça-feira, 27 de março de 2012

Michael C. Hall: "Não imagino um final feliz para Dexter"


O assunto religião nessa sexta temporada trouxe espiritualidade para Dexter?
"Se há um deus no mundo de Dexter, é razoável dizer que seja Harry, o Código, ou ele mesmo, incorporando uma divindade por fazer justiça com as próprias mãos. Até agora não houve tamanha experiência para ele do que um deus pode ser."

O Doomsday Killer e Brother Sam representam grandemente do que se trata a fé, não?
"Há manifestações bem negativas disso, no caso dos assassinatos do DDK serem baseados em escritos sagrados, mas também vemos Dexter na mais autêntica amizade com um cara reabilitado por meio da fé. Nos é apresentado os dois lados disso."

Te surpreende tudo o que Dexter passou nessas cinco temporadas?
"Enquanto gravávamos a primeira temporada não passou pela minha cabeça que ele transaria, muito menos que se casaria, teria um filho, um relacionamento em que convidaria a pessoa até a kill room, que Rita morreria, ou esse tipo de coisa."

Qual mudança você acha que foi mais significativa para ele?
"Ele tem experimentado um senso genuíno de conexão com seu filho, algo que não existia no começo da série. A maior mudança é que agora ele vê que suas atitudes não influenciam mais apenas ele. A morte de Rita, as coisas que Harrison presenciou e toda essa confusão com Debra - o pensamento dele de não ser capaz de ser humano foi por água abaixo."

Gostaria de participar de algo que não envolvesse morte?
"Na verdade, faz parte do meu estatuto como ator que eu sempre esteja rodeado de cadáveres! Mas, falando sério, sim, seria muito bom fazer uma comédia onde ninguém morresse."

E quanto a voltar a dançar e cantar como fez na Broadway?
"Adoraria fazer isso de novo, mas não fico triste que Dexter não me dará oportunidades. Não acho que seria o ideal, duvido que haja um episódio musical dessa série."

Te preocupa a ideia de que as pessoas podem se referir a você como Dexter pelo resto de sua carreira?
"Imagino que sempre haverá um pouco de Dexter em mim. Mas, ao mesmo tempo, quando Six Feet Under (A Sete Palmos) fez sucesso eu era o diretor de funeral gay. Acredito que David Fisher foi a primeira vítima de Dexter."

Incríveis estrelas passaram por Dexter. Alguns chegaram até você e, discretamente, disseram que dariam um b serial killer?
"Isso aconteceu, e me surpreendeu, apesar de ser depois de alguns drinks numa festa. O calibre e variedade dos atores que conseguimos trazer para fazer parte do nosso mundinho louco é mesmo incrível."

Com mais duas temporadas engatilhadas, como você vê o desenrolar das coisas?
"Me vejo novamente superando atuações prévias. Para ser honesto, é difícil para mim ver um final feliz para a personagem."

Tradução: @caiosantiago
Fonte: whatsontv.co.uk | dexterdaily.com

0 comentários:

Postar um comentário

CARREGANDO NOVO FORMULÁRIO DE COMENTÁRIOS. AGUARDE.... SE VOCÊ ESTIVER LENDO ISSO E A PÁGINA FOI TOTALMENTE CARREGADA, NÃO USE ESTE FORMULÁRIO PARA COMENTAR. APERTE F5 E AGUARDE O NOVO FORMULÁRIO CARREGAR