terça-feira, 27 de novembro de 2012

Review 7x09 - Helter Skelter


Eu gostaria de ter tempo de assistir ao episódio pelo menos mais umas três vezes para fazer um texto que abrangesse todos os pontos importantes do episódio.

Eu gosto da Hannah, gosto muito dela! Mas isso não torna menos estranho Dexter indagar-se sobre sua paixão por ela. Essa busca desenfreada pelo que está em seu interior, conhecer todos os profundos sentimentos que permeiam seus pensamentos, está me soando muito estranha. Como eu já disse em outra oportunidade, Dexter às vezes me parece aquela garota de 14 anos que descobriu o tumblr. Alguém que está tendo a possibilidade de refletir sobre a confusão de sentimentos pela primeira vez. Alguém que fica extremamente perplexo por ser normal. A Hannah acha isso tudo muito lindo.

Por que estou falando disso? Sinceramente, não gostei da metáfora do episódio. Prefiro deixar as explicações mais complexas para os comentários, para quem se interessar por discussões mais complexas, mas eu tenho uma orientação filosófica anti-mentalista. Isso implica em rejeitar explicações de comportamento através das emoções. Sendo assim, dói aos meus ouvidos ouvir Dexter dizendo que a paixão nos impulsiona a fazer algo; que o medo nos faz agir de tal maneira. Sentimentos não explicam comportamentos. Interação explica comportamento.

Afora isso, o episódio foi espetacular. Muito emocionante mesmo.


Gostei da forma com que o episódio começou. A cena da Hannah com medo de cair na água mostrou a fragilidade da assassina. O que é uma contradição bastante interessante, porque é com essa gata que tem medo de água que Dexter se sente realmente seguro. É claro que estamos falando de níveis diferentes de medo e segurança, mas a metáfora se aplica.

Achei a Deb jogada para escanteio na maioria do episódio. A frase que marcou a participação dela foi “Eu acho que talvez seja hora de eu começar a pensar por mim mesma”. Será que isso mostra uma possível ruptura dela com Dexter?

O envolvimento do Isaak com o Dexter foi genial! Eu gostava bastante do Brother Sam, mas confesso que o Isaak foi um coadjuvante muito melhor. O melhor da série, até agora. Tenho minhas dúvidas a respeito da vontade do Isaak de matar o Dexter, porque de alguma forma eu vi os dois profundamente ligados. Ligados por um segredo, talvez. Ou talvez pela lacuna entre a capacidade emocional dos dois. Aparentemente o sr. Sirko ensinou bastante o que é dar a vida por alguém que amou tão intimamente, que mesmo depois de perder essa pessoa, ela ainda continua sendo a razão de sua vida. Talvez o chefão da máfia simplesmente invejasse a aparente falta de ligação emocional do nosso serial killer.

Isaak matou brutamente três colombianos, ele poderia caçar dois assassinos. A ajuda do Dex seria de bom tamanho, mas convenhamos, não era necessária. Essa foi o ponto alto do episódio, para mim. A inversão foi ínfima e sutil, mas grandiosa em seus efeitos! Dentre outros, vejamos Trinity. Dexter o estudou, entrou em sua convivência, ficou intrigado com seu estilo de vida. Pela primeira vez, fizeram isso com Dexter. Isaak o estudou, o invejou, aprendeu com ele. Também ensinou. Buscar ajuda de um analista de sangue que matou o Viktor e mais outro cara no apartamento não é tão confiável quanto contratar algum outro assassino que já tem 16 no currículo, mas a ligação deles foi mais importante que a factual proteção.


Fiquei triste e acho que ainda vou passar o dia de luto pelo Isaak. Eu achei que ele fosse sumir no mundo. Achei que o Dexter fosse matar o George e que tudo ainda ia ficar com um ar de amizade.
Achei incoerente o George ter dado apenas um tiro no Isaak. Convenhamos, se você for matar alguém, você vai se certificar de que a pessoa morreu! Sirko sobreviveu até de noite. Sabe-se lá como Dexter conseguiu transportá-lo até o barco, mas vou fingir que isso nem aconteceu.

Phil Bosso. Quem é esse cara? Sério que, faltando apenas três episódios, eles vão trazer um serial killer do nada? Acho estranho. O ITK, por exemplo, foi estudando e aprimorando seu modus operandi. Em dois dias o incendiário matou duas pessoas, sendo que nunca havia tido nenhuma evidência de assassinatos semelhantes. Espero que os próximos episódios acertem isso. Se for alguma vingança pessoal, fará mais sentido.

Gostei bastante de o Quinn ter dado umas porradas no George! Acho que vou gostar ainda mais das consequências disso tudo. Só não consigo pensar em um fim positivo para o Quinn nessa história... alguém consegue? O George entrou para a lista dos três mais babacas da série. Primeiro por matar o Isaak, agora por transar com a Nadia. Ele conseguiu me irritar bastante!

A LaGuerta tem me assustado também. O Matthews pode dar grandes informações para ela, e de provas circunstanciais em provas circunstanciais, ela vai chegar a algo mais concreto! Espero que a trama traga de novo o receio de Dexter matar, em vista da notoriedade do cargo de sua “inimiga”. Isso me lembra bastante do conflito de ter que matar o Miguel Prado, por ser um famoso promotor em Miami.

Alguém mais acha que a Hannah não vai embora tão cedo?

E como vai a expectativa para a season finale? Eu, particularmente, não consigo enxergar quase nada que possa acontecer nesses três episódios!

Que venha o “The Dark... Whatever.”

0 comentários:

Postar um comentário

CARREGANDO NOVO FORMULÁRIO DE COMENTÁRIOS. AGUARDE.... SE VOCÊ ESTIVER LENDO ISSO E A PÁGINA FOI TOTALMENTE CARREGADA, NÃO USE ESTE FORMULÁRIO PARA COMENTAR. APERTE F5 E AGUARDE O NOVO FORMULÁRIO CARREGAR